Prefeitura do Rio vai colocar Centro e Zona Portuária nos trilhos até 2016

O Globo

Projeto promete viabilizar seis linhas de bondes modernos nas duas regiões

Maria Elisa Alves

RIO – Ônibus, metrô e barcas podem até continuar lotados, mas uma coisa é certa: o transporte numa das áreas mais importantes do Rio vai entrar nos trilhos. A prefeitura acaba de concluir o estudo sobre o sistema de bondes modernos que deve ser implantado em boa parte do Centro e na Zona Portuária. O projeto do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT) prevê seis linhas, algumas com trechos sobrepostos, e passará por ruas de grande movimento, como a Avenida Rio Branco e a Rua Sete de Setembro. O prefeito Eduardo Paes não fala ainda em datas nem custos para o VLT entrar em funcionamento, mas a ideia é que ele esteja operando a pleno vapor em 2016.

Com a missão de melhorar a mobilidade urbana e reduzir o número de veículos em circulação — a ideia é aposentar gradativamente os ônibus nas áreas onde o VLT circulará — o sistema terá 28km de trilhos e 42 estações. Cada um dos 32 bondes modernos terá capacidade para cerca de 450 passageiros, a maioria em pé. A prefeitura ainda não calculou o valor da tarifa que será aplicada, mas já está certo que o VLT fará parte do Bilhete Único Carioca (BUC) e que o valor da passagem não será muito diferente da dos ônibus que ele pretende substituir.

— Um dos pontos importantes é que os VLTs vão estar integrados às estações das barcas, à Central do Brasil e à Rodoviária. Além disso, eles vão praticamente extinguir os ônibus no Centro, além de diminuir a poluição sonora e do ar — diz o presidente da Companhia de Desenvolvimento Urbano da Região do Porto do Rio, Jorge Arraes, acrescentando mais uma vantagem. — Além de ser legal e charmoso, o VLT vai ajudar os turistas. Ele passará pelo Museu do Amanhã, no Porto, e pelo Teatro Municipal, entre outras atrações da cidade.

A Linha 1, que será a maior, ligará a Avenida Presidente Antônio Carlos à Rodoviária Novo Rio, passando pela Praça Mauá. Com 35 paradas e 12 VLTs em operação, ela cruzará toda a extensão da Avenida Rio Branco. A expectativa é que o intervalo entre os bondes não ultrapasse cinco minutos.

Já a Linha 2, com 19 paradas, ligará a Praça Mauá à Central do Brasil, via Túnel da Saúde. Primeira obra da segunda fase do projeto Porto Maravilha, o túnel que será aberto tem 70 metros de extensão e cruzará o Morro da Saúde. Ele terá três pistas em cada sentido e, no meio, espaço para o VLT.

A terceira linha do novo transporte fará a ligação entre o Aeroporto Santos Dumont e a Central do Brasil, via Praça da República, com parada na estação das barcas. A ideia inicial era que outra linha, a 1, seguisse da Presidente Antônio Carlos até o aeroporto, mas o estudo mostrou que seria inviável a construção de um túnel por baixo da Avenida Beira-Mar. Optou-se, então, por estender a linha que passava pelas barcas até o aeroporto. A Linha 3 passará ainda pela Rua Sete de Setembro, única via que deverá sofrer uma mudança mais drástica: para a implantação dos veículos leves, os carros de passeio e táxis poderão ser banidos.

— Ainda estamos estudando o fechamento da Sete de Setembro aos carros. No resto da área onde teremos o projeto, os veículos vão conviver com o VLT. Carros de passeio e táxis andarão sobre os trilhos. Se o VLT parar, eles também precisarão frear — diz Luiz Carlos de Souza Lobo, diretor de Operações da Companhia de Desenvolvimento Urbano da Região do Porto do Rio.

A Linha 4 ligará a Central à Avenida Presidente Antônio Carlos via Avenida Marechal Floriano e, a partir da parada Candelária, se sobreporá à Linha 1.

— Com essas sobreposições, vamos conseguir diminuir o intervalo entre os veículos. Se, com uma linha, a espera seria de cinco minutos, com a sobreposição, ela pode cair a três minutos — diz Lobo, acrescentando que as estações devem ficar a cerca de 400 metros de distância umas das outras.

A ligação entre a Central e a Rodoviária será feita pela Linha 5, enquanto a sexta linha do VLT cobrirá o trecho Praça Mauá-Rodoviária, via Túnel da Providência. Quem for, por exemplo, visitar a Cidade do Samba terá duas estações de parada à disposição, uma em cada lado da construção.

De acordo com o projeto, os VLTs vão ter paradas próximas a outros meios de transporte. As estações do metrô Cinelândia, Carioca e Central ficarão perto dos pontos do sistema, que também se ligará à estação do trem-bala, se ele sair do papel, e ao teleférico que deve ser implantado no Morro da Providência.

Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/rio/prefeitura-vai-colocar-centro-zona-portuaria-nos-trilhos-ate-2016-3471779#ixzz1hNnkzvg7
© 1996 – 2011. Todos direitos reservados a Infoglobo Comunicação e Participações S.A. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

Anúncios

Sobre Marcos O. Costa

Arquiteto Urbanista formado pela FAU Mackenzie com mestrado em estruturas ambientais urbanas pela FAUUSP. Associado à Borelli & Merigo, onde desenvolve projetos nas áreas de edificações e urbanismo. É professor da FAAP e da Escola São Paulo. A publicidade exposta neste Blog é de responsabilidade da Wordpress
Esse post foi publicado em Formação da Cidade Contemporânea e marcado , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s