A cartilha de Yokohama precisa ser estudada

Observatório da Imprensa

Por Alberto Dines

Levamos um baile. Nós, quem? O Neymar, o técnico Muricy Ramalho, o presidente do Santos Luis Álvaro de Oliveira Ribeiro, o presidente da CBF Ricardo Teixeira ou também a mídia esportiva e o torcedor baba-ovo?

O vexame é nacional: o gramado é mera projeção de uma mentalidade (assim foi com o coliseu romano, a Olimpíada de Berlim em 1936, o tabuleiro de xadrez na antiga URSS).

Fragorosamente batida foi a ilusão do “xá’comigo”, a soberba do “conosco ninguém podemos”, o equívoco do futebol-arte mascarando brilharecos pueris.

O show espanhol não aconteceu no Japão, no domingo (18/12), é a continuação do outro, em 2010 na África do Sul. Não foi uma performance episódica, faz parte de um processo linear chamado profissionalismo, disciplina, esmero. O Barça não é um clube, é uma tribo chamada Catalunha, parte de uma nação chamada Espanha.

Papel da imprensa

A mídia esportiva tem a obrigação de contrariar as torcidas, o analista não faz parte da manada, precisa aprender a contrariar as maiorias tão fáceis de agradar. Se está de olho no seu blog, no número de mensagens que recebe no Twitter ou no Facebook, seu negócio não é o jornalismo, é o circo. E o jornalista, por definição, não faz parte do espetáculo. Tanto em política, como no desporto.

Neymar foi mimado pela mídia, tal como foram os dois Ronaldos nas décadas passadas. O Fenômeno e o xará gaúcho acreditaram nos comerciais que estrelaram – essa é a triste verdade. Tal como o astro santista.

Messi não se preocupa com o cabelo, seu empenho está concentrado no gramado e no placar. Não é espanhol, é argentino, e os argentinos têm um passado de seriedade que os brasileiros geralmente desconhecem porque detestam o Maradona, símbolo caricato e equivocado dos nossos vizinhos, antípoda do número 10 do azul-grená.

A Cartilha de Yokohama precisa ser estudada por todos os que fazem parte do processo esportivo. E o processo começa com – e acaba na – imprensa. A imprensa faz o torcedor, controla o cartola, policia os políticos, castiga os mercadores que pervertem uma competição atlética destinada a fabricar cidadãos e fazer suas cabeças.

Sábio Armando

A Cartilha de Yokohama precisa ser estudada nas praças, salas de aula, bares e botequins, plenários, gabinetes de autoridades, onde quer que os malefícios da arrogância e da presunção sejam detectados.

A Cartilha de Yokohama significa uma reversão radical na nossa fascinação por bolhas e pelo efêmero. É uma aposta na austeridade, no empenho silencioso, no desempenho interior.

Gol não nasce nos pés, é engendrado na alma. Se Armando Nogueira não escreveu isso, foi por mero acaso.

http://www.observatoriodaimprensa.com.br/news/view/a_cartilha_de_yokohama_precisa_ser_estudada

Anúncios

Sobre Marcos O. Costa

Arquiteto Urbanista formado pela FAU Mackenzie com mestrado em estruturas ambientais urbanas pela FAUUSP. Associado à Borelli & Merigo, onde desenvolve projetos nas áreas de edificações e urbanismo. É professor da FAAP e da Escola São Paulo. A publicidade exposta neste Blog é de responsabilidade da Wordpress
Esse post foi publicado em Futebol e marcado , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s