COP 17 chega ao fim após duras negociações

Deutsche Welle

Mais longa cúpula do clima da história, Durban chega ao fim após duras negociações

A mais longa cúpula do clima da história, Durban teve duras negociações. Ministra do Exterior da África do Sul comemorou resultados na noite de sábado, após 24 horas de conversas, embora divergências continuassem.

A mais longa cúpula do clima da história conseguiu na noite de sábado (10/12)  obter um acordo para um roteiro de um tratado sobre o clima. Depois de 13 dias de encontro, os delegados conseguiram concordar com um projeto de texto que apontava para um sucesso da conferência.

A ministra do Exterior da África do Sul, Maite Nkoana-Mashabane, disse que, depois de uma maratona de 24 horas de negociações, havia sido conseguido “um resultado forte para Durban”, embora muitas questões ainda permanecessem em aberto.

O esboço de acordo prevê que deve ser criado um contrato climático vinculativo até 2015 que possa entrar em vigor até 2020. A controvérsia permanecia sobre o grau de obrigatoriedade que o documento deve prever e se ele não deveria entrar em vigor antes, para que o aquecimento global seja limitado a dois graus.

epa03026891 Norbert Roettgen, Minister of Environment of Germany speaks during the High Level Segment of the COP 17 / CMP 7 United Nations (UN) Climate Change Conference 2011 in Durban, South Africa 07 December 2011. The 17th session of the Congress of the Parties (COP) comprising 194 countries meeting to discuss the United Nations Framework Convention on Climate Change (UNFCCC) is in its High Level Segment serving as the meeting of the Parties to the Kyoto Protocol. EPA/NIC BOTHMA

Ministro do Meio Ambiente Norbert Röttgen

Tentativas de enfraquecer texto

O Protocolo de Kyoto, programado para expirar em 2012, poderia ser prorrogado até 2020, para que não haja um vácuo nas regras de proteção do clima. Vários países africanos exigiram apenas cinco anos de prorrogação, de modo que o contrato possa entrar em vigor mais cedo.

Países como os EUA, China e Índia tentaram até o último instante enfraquecer o acordo, defendendo sutilezas, como classificar o documento como um “resultado legal” ao invés de “instrumento legal”, uma definição mais forte.

“Precisamos de um instrumento legal e não algo que pode significar
tudo ou nada “, disse a comissária para o Clima  da União Europeia, Connie Hedegaard. “Muitas pessoas vão se perguntar qual é a diferença, já que apenas se muda uma palavra. Mas isso é extremamente importante “, ressaltou a dinamarquesa, que destacou os avanços obtidos com Estados Unidos e Brasil.

Pressão da UE

Sobretudo a União Europeia faz pressão por resultados concretos, juntamente com os países em desenvolvimento mais pobres e os pequenos Estados insulares. Há anos, as negociações estão bloqueadas, principalmente devido à posição de Estados Unidos, China e Índia.

epa03026161 Connie Hedegaard, Commissioner for Climate Action, European Commission speaks during the opening plenary session of the High Level Segment of the COP 17 / CMP 7 United Nations (UN) Climate Change Conference 2011 in Durban, South Africa, 06 December 2011. The 17th session of the Congress of the Parties (COP) comprising 194 countries meeting to discuss the United Nations Framework Convention on Climate Change (UNFCCC) began its High Level Segment serving as the meeting of the Parties to the Kyoto Protocol. EPA/NIC BOTHMA +++(c) dpa - Bildfunk+++<br />

Connie Hedegaard, comissária para o Clima da UE

“Conseguimos resultados muito bons nas últimas horas”, enfatizou o ministro alemão do Meio Ambiente, Norbert Röttgen. A plenária de encerramento com todos os 193 países para deliberar sobre os diferentes modelos começou com 24 horas de atraso. A conferência do clima foi prorrogada por um dia na busca de uma solução, se tornando a mais demorada de todas.

Muitas delegações, no entanto, já tiveram que abandonar o encontro no sábado, porque seus voos não puderam ser remarcados. Até o final da tarde ninguém ainda sabia quando a sessão plenária final iria ocorrer e nem mesmo se ela iria ser realizada.

Carlos Albuquerque

http://www.dw-world.de/dw/0,,9233,00.html

 

Anúncios

Sobre Marcos O. Costa

Arquiteto Urbanista formado pela FAU Mackenzie com mestrado em estruturas ambientais urbanas pela FAUUSP. Associado à Borelli & Merigo, onde desenvolve projetos nas áreas de edificações e urbanismo. É professor da FAAP e da Escola São Paulo. A publicidade exposta neste Blog é de responsabilidade da Wordpress
Esse post foi publicado em Contemporaneidade, Espaço Sustentável e marcado , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s