Itains Bibi e Paulista explicitam desigualdade

Folha de São Paulo

Bairros das zonas oeste e leste da capital contrastam índices sociais e econômicos

Nos distritos mais ricos da cidade, renda média é de R$ 3.500; nos mais pobres, não chega aos R$ 550

Os dois bairros têm Itaim no nome e estão em São Paulo. Mas apresentam diferenças gritantes aos seus moradores -o que ilustra bem a realidade paulistana.
No Itaim Paulista, na zona leste, mora Mariane Terezinha Fabretti, 41. Desempregada, ela vive com mais seis pessoas -marido e cinco enteados- numa casa de 40 metros quadrados. Negra, cursou apenas até a quinta série do ensino fundamental.
No Itaim Bibi, na zona oeste, mora Celina Barana Mandia, 78. Professora universitária aposentada, ela vive junto com o marido
em um apartamento de 140 metros quadrados. Branca, fez duas faculdades.
“O problema aqui é o posto de saúde. Demora para atender e nunca tem médico”, afirma Mariane sobre o Itaim Paulista. “Mas ao menos tem escola e feira perto.”
“Aqui tenho tudo, não preciso nem tirar o carro da garagem. E você acha que algum lugar tem um jardim como esse?”, afirmou Celina sobre o Itaim Bibi -e a área dentro do seu condomínio.

RANKINGS
Além das realidades de Mariane e Celina, os números do IBGE também expõem a desigualdade na capital.
A renda média mensal por pessoa no Itaim Paulista é de R$ 516; no Itaim Bibi,
R$ 4.493. As taxas de analfabetismo são, respectivamente, de 4,5% e 0,6%.
No Itaim Paulista, 55% se declaram pretos ou pardos. No Itaim Bibi, apenas 10%. No primeiro, há grande presença de crianças. No segundo, de idosos. As oposições na capital paulista, porém, não se restringem aos Itains.
Tabulação feita pela Folha mostra que nos dez distritos mais ricos, o percentual dos que se declaram pretos ou pardos não passa de 10%. Nos dez mais pobres, a proporção chega a 56%.
Nos distritos mais ricos, a renda média dos moradores supera R$ 3.500 e atinge seu auge em Moema (R$ 5.362).
No outro extremo, a renda média é inferior a R$ 550, chegando a R$ 416 em Marsilac, no extremo sul da cidade.
Na São Paulo mais branca e mais rica, vivem 785 mil pessoas. Na mais pobre e mais negra, são 1,8 milhão.
maior desigualdade
A desigualdade por cor na cidade se verifica pela diferença no rendimento médio de brancos e pardos.
Enquanto os que se declararam brancos em São Paulo têm renda média de R$ 2.467, entre os pardos esse valor é menos da metade (R$ 975).
Trata-se da maior diferença registrada entre as capitais do país.

(NATÁLIA CANCIAN, FÁBIO TAKAHASHI E ANTÔNIO GOIS)

http://www1.folha.uol.com.br/fsp/cotidian/9446-itains-bibi-e-paulista-explicitam-desigualdade.shtml

Sobre Marcos O. Costa

Arquiteto Urbanista formado pela FAU Mackenzie com mestrado em estruturas ambientais urbanas pela FAUUSP. Associado à Borelli & Merigo, onde desenvolve projetos nas áreas de edificações e urbanismo. É professor da FAAP e da Escola São Paulo. A publicidade exposta neste Blog é de responsabilidade da Wordpress
Esse post foi publicado em Espaço Sustentável e marcado , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s