China desafia os EUA e avisa que pressão pode afetar reforma cambial

O Estado de São Paulo

BC chinês determina banda mais baixa para comercialização do yuan um dia após o Senado norte-americano aprovar projeto de lei mais rígido sobre câmbio

Patrícia Braga,

PEQUIM – Em uma resposta desafiadora à aprovação do Senado dos EUA à proposta de pressionar a China para deixar sua moeda se apreciar, o BC chinês determinou hoje uma banda relativamente mais baixa para comercialização do yuan em relação ao dólar, e advertiu que a pressão dos EUA pode expor ainda mais a revisão da taxa de câmbio do país. No longo prazo, o valor da moeda é fixado de acordo com o que o PBoC determina.

O BC chinês afirmou que a decisão dos EUA de punir a china por causa do valor de sua moeda complica os esforços para liberar gradualmente o yuan de suas restrições pelo governo e deixar que ele seja comercializado mais livremente. “Politizar o assunto yuan não resolve os problemas dos EUA como o déficit fiscal e a elevada taxa de desemprego, mas pode afetar o processo de reforma na taxa de câmbio do yuan que está em andamento”, advertiu o BC chinês.

A resposta do PBoC está alinhada com os protestos de outras autoridades dentro do governo chinês, e Pequim já havia advertido que a aprovação da lei pode desencadear uma guerra comercial. “A lei viola seriamente as regras da OMC e não apenas não resolve os problemas econômicos e de desemprego da América como também inflige dano sério às relações da China com os EUA, e interfere nos esforços dos dois países e da comunidade internacional para reativar a economia global”, reiterou o ministro de Relações Exteriores da China.

A lei pode forçar a Casa Branca a ser mais agressiva em relação às tarifas e outras penalidades contra países com moedas “desalinhadas”. O projeto visa ajudar as empresas norte-americanas que argumentam que a política de Pequim de manter a moeda desvalorizada em relação ao dólar beneficia os exportadores chineses e funciona como um subsídio comercial. Opositores disseram que se o projeto virar lei, Pequim pode fazer retaliações contra empresas dos EUA baseadas na China.

http://economia.estadao.com.br/noticias/economia,china-desafia-os-eua-e-avisa-que-pressao-pode-afetar-reforma-cambial,87975,0.htm

Anúncios

Sobre Marcos O. Costa

Arquiteto Urbanista formado pela FAU Mackenzie com mestrado em estruturas ambientais urbanas pela FAUUSP. Associado à Borelli & Merigo, onde desenvolve projetos nas áreas de edificações e urbanismo. É professor da FAAP e da Escola São Paulo. A publicidade exposta neste Blog é de responsabilidade da Wordpress
Esse post foi publicado em Economia e marcado , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s