O problema de Ben Bernanke

Folha de São Paulo

por Paul Krugman

Com o Fed intimidado pela oposição para que fique inativo, é difícil ver um fim para o desastre econômico


Investidores aguardavam ansiosamente o discurso de Ben Bernanke na reunião anual do Fed em Jackson Hole.
Eles queriam saber se Bernanke iria anunciar novas políticas capazes de tirar a economia dos Estados Unidos de algo que está parecendo um estado quase permanente de demanda deprimida e desemprego alto.
Eu ficaria muito surpreso se Bernanke propusesse qualquer coisa significativa.
Por que eu não espero muito de Bernanke? Em duas palavras: Rick Perry.
Não quero dizer que Perry, o governador do Texas, esteja pessoalmente funcionando como obstáculo a uma política monetária eficaz. Ainda não, pelo menos.
Estou usando Perry -que ameaçou Bernanke de consequências pessoais graves se implementar uma política expansionista antes da eleição de 2012 – como símbolo da intimidação política que está matando nossa esperança de recuperação.
Sob condições normais, esperaríamos que o Fed injetasse ânimo na economia, reduzindo as taxas de juros.
Mas os juros que o Fed normalmente visa já estão em quase zero. Então o que o Fed pode fazer?
Em 2000 um economista chamado Ben Bernanke apresentou uma série de propostas para uma política no “limite inferior zero”. É verdade que o artigo focou o Japão, não os Estados Unidos. Mas os EUA se encontram agora em uma armadilha econômica muito semelhante à japonesa, apenas mais aguda. Por que Bernanke 2011 não está ouvindo os conselhos de Bernanke 2000?
Em 2000, ele sugeriu estimular a economia japonesa com uma série de políticas não convencionais e estava no caminho certo.
Então por que o Fed não segue a agenda que seu próprio presidente recomendou?
No ano passado o Fed chegou a instituir uma política de comprar dívida de longo prazo. Mas enfrentou uma reação política totalmente fora de proporção ao efeito modesto que isso exerceu sobre a economia, reação essa que culminou com a declaração de Rick Perry de que qualquer afrouxamento monetário antes da eleição de 2012 seria “quase uma traição” e que, se Bernanke fosse adiante e o fizesse, “nós aqui no Texas lhe daríamos tratamento brutal”.
Imagine a reação que haveria se o Federal Reserve implementasse as outras e possivelmente mais importantes partes da agenda de Bernanke 2000, visando um índice de inflação mais alto e saudando o enfraquecimento do dólar. É certo que haveria uma tempestade política.
Agora você entende por que não previa anúncios de políticas de peso em Jackson Hole. Em 2000, Bernanke acusou o Banco do Japão de sofrer de “paralisia autoinduzida”; bem, agora o Fed está sofrendo de paralisia externamente induzida.
Na prática, ele foi intimidado politicamente para que fique de lado, como mero observador, enquanto a economia estagna.
A oposição política paralisou a política fiscal; ao invés de ajudar a criar empregos, o governo federal está recuando, com desincentivo à produção e ao emprego.
Com o Federal Reserve também intimidado para que fique inativo, é difícil divisar qualquer fim para o desastre econômico em curso.

Tradução de CLARA ALLAIN

Sobre Marcos O. Costa

Arquiteto Urbanista formado pela FAU Mackenzie com mestrado em estruturas ambientais urbanas pela FAUUSP. Associado à Borelli & Merigo, onde desenvolve projetos nas áreas de edificações e urbanismo. É professor da FAAP e da Escola São Paulo. A publicidade exposta neste Blog é de responsabilidade da Wordpress
Esse post foi publicado em Economia e marcado , , . Guardar link permanente.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s