Bogotá incentiva uso do bicitáxi e de transporte público coletivo

CicloVivo

Em Bogotá, capital da Colômbia, os moradores estão adotando um novo meio de transporte: o bicitáxi. Junto com o incentivo à utilização de ônibus, a cidade é exemplo de uso responsável de transportes.

Os moradores de Bogotá adotaram o ônibus como um dos principais meios de transporte. Ao fazer uso do transporte público coletivo, a população ajuda a diminuir o número de carros nas ruas e com isso a emissão de gases poluentes no ar também é menor.

A alternativa é barata e sustentável. Carlos Cordoba, da ONG “Bogotá Como Vamos”, afirma que São Paulo também deveria investir em transportes públicos.

“Minha impressão de São Paulo é que a cidade priorizou o uso do veículo particular sobre o uso do transporte público. Isso é problemático porque sempre serão necessárias mais pistas, porque sempre vai haver mais carros e isso é interminável”, disse Cordoba, em entrevista ao G1.

Além do ônibus, um novo meio de transporte tem sido utilizado pela população: o bicitáxi. O sistema é simples. É necessário uma bicicleta resistente com bagageiro e cobertura e uma pessoa com disposição para pedalar a bike e levar os passageiros ao seus destino. Ele é usado para percorrer curtas distâncias e visa diminuir a emissão de poluentes.

Entre 1995 e 1997 foi desenvolvido na capital colombiana o projeto ciclo-rota com o objetivo de construir um sistema de faixas para bicicletas e áreas verdes. A partir de 2008, 344 km de ciclovias eram usadas diariamente por cerca de 285 mil pessoas.

Para estimular o uso das ciclovias, o Instituto de Desenvolvimento Urbano desenvolve campanhas de doação de bicicletas paras as escolas, onde é passado para as crianças a importância das bikes e da ciclo-rota.

Já o sistema de ônibus da cidade é conhecido como TransMilenio. Inaugurado em 2000, ele adota veículos leves sobre pneus. Com esta rede de transporte, o tempo médio das viagens caiu 32% e diminuiu em 40% as emissões de gases poluidores.

O objetivo do TransMilenio é melhorar o sistema de transporte público, restringir o uso do automóvel particular, melhorar e expandir as ciclovias e aprimorar o espaço público.

O sistema é parecido com os metrôs, com estações a cada 500 ou 700 metros, com transferência gratuita entre as linhas.

O projeto foi desenvolvido pelo então prefeito de Bogotá, Enrique Peñalosa Londoño, e a Câmara municipal criou a empresa TransMilenio, financiado pelo governo colombiano (70%) e pela prefeitura de Bogotá (30%). Com informações do G1 e Soluções para cidades.

http://ciclovivo.com.br/noticia.php/3002/bogota_incentiva_uso_do_bicitaxi_e_de_transporte_publico_coletivo/


Sobre Marcos O. Costa

Arquiteto Urbanista formado pela FAU Mackenzie com mestrado em estruturas ambientais urbanas pela FAUUSP. Associado à Borelli & Merigo, onde desenvolve projetos nas áreas de edificações e urbanismo. É professor da FAAP e da Escola São Paulo. A publicidade exposta neste Blog é de responsabilidade da Wordpress
Esse post foi publicado em Formação da Cidade Contemporânea e marcado , , , . Guardar link permanente.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s